terça-feira, 26 de agosto de 2008

O supremo apreço pela vida alheia

Muito gostam as pessoas de falar da vida alheia sem olhar para elas próprias e para o que acontece dentro da própria casa.
Têm a solução mágica para a vida dos outros sem se aperceberem que têm a sua própria vida para viver. E não conseguem vislumbrar o quanto há de hipócrita nisso.
Se, pelo menos, falar da vida alheia e tentar achar uma solução para a vida dos outros fosse uma maneira de olhar para si mesmo, seria algo até interessante.
O problema é que nem toda a gente é capaz de olhar para si mesma, talvez com medo do que poderão ver...
Por isso a frontalidade, a capacidade de encarar e dizer as coisas directamente e sem receio, é das coisas que mais aprecio numa pessoa, ainda que essa franqueza traga inerente alguma predisposição para magoar outra(s) pessoa(s).