segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Horário do Fim

morre-se nada
quando chega a vez

é só um solavanco
na estrada por onde já não vamos

morre-se tudo
quando não é o justo momento

e não é nunca
esse momento

Mia Couto, in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas"

Muitas saudades me deixa Lurdes, mas as gratas recordações perdorarão para sempre!