quinta-feira, 8 de julho de 2010

Balanço do Ano

Meio ano de nova década volvido, constato que eu gosto dos meus dias!
Gosto da maior parte das minhas rotinas.
Gosto de olhar para os meus dois homens.
Gosto de ver crescer o meu pitukinho.
Gosto dos fins-de-semana.
Gosto de ir comer marisco às azenhas.
Gosto de sair com os meus amigos.
Gosto de cozinhar para os meus amigos.
Gosto de trabalhar fora de horas no meu ambiente "zen".
Até gosto do stress do trabalho!
Estou a começar a gostar da nossa casa "nova". Gosto de estar a cinco minutos do infantário.
Gosto do nosso "quase jardim" e sua piscina.
Gosto de ler.
Gosto de arrumar compulsivamente e deitar coisas fora.
Gosto de conduzir em todo o terreno.
Gosto da praia algarvia.
Gosto de viajar.
Gosto do calor das caraíbas!

Somos nós que desenhamos a nossa vida, embora nem sempre a possamos pintar com as cores que queremos... mas depois de algum tempo à deriva, concluí que felicidade é algo que se decide por princípio. Em vez de ficar enumerando as dificuldades e adversidades, resolvi agradecer e brindar pelas outras coisas boas com que a vida me tem brindado.

3 comentários:

Mamã artesã disse...

É bom saber que há, pelo menos uma pessoa no Mundo, que está feliz com a vida que leva.
Fico feliz por ti, miga.

Eu não gosto do meu trabalho (nunca gostei e já lá vão quase 17 anos); não gosto do meu corpo e não o consigo mudar (se tivesse dinheiro, já o teria feito); não gosto do meu cabelo que anda uma autêntica porcaria; há muito que deixei de gostar da minha casa; não gosto da porcaria de vida que levo... Tanta coisa que não gosto.
Mas há, pelo menos, 2 coisas que tenho a certeza que gosto e uma delas nunca hei-de deixar de gostar: o meu filhote e o meu pópó novo. LOL
Ao menos algo que me dê alguma alegria na vida.

Desculpa lá este desabafo, mas não resisti.

Beijocas saudosas
Sofia

MC disse...

Acho que o segredo está na maneira como se encara as coisas.
Há sempre que minimizar as “desgraças” e ver o lado bom das coisas.
Há que aprender a dançar na chuva e não esperar que a tempestade passe...

Mamã artesã disse...

Pois é, minha querida amiga.
Com esta vida que levo... a família que tenho... e o meu rico marido que só pensa nele... é difícil encarar a vida com um sorriso nos lábios como sempre te tenho visto fazer.
A vida, por vezes, pode ser mesmo madrasta.
Já vi dias melhores.