sexta-feira, 24 de setembro de 2010

º~ Agora ou Nunca~º

Após 5 anos parada, reiniciei o exercício ao corpo. O exercício físico não é propriamente my cup of tea mas, já que tenho de o fazer, que seja dentro de água, elemento com o qual tenho uma ligação bastante forte.
Há muitos anos atrás, ainda eu morava em Loulé, tive aulas de hidroginástica nas piscinas de Loulé, era a Salomé a professora.
Agora escolhi aulas de aquafitness, praticada em piscina profunda.
Por causa da sua densidade, a água torna as atividades mais intensas. A isto acresce com o uso de caneleiras e cinto flutuador. Sem que os pés toquem o fundo, actividades como correr, pedalar, saltar, exigem mais força dos músculos e muito equilíbrio. Mas sabe bastante bem (apesar de estar toda partida...).
Vamos ver até quando o trabalho vai permitir manter uma mente sã em corpo são...

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Um segredo bem guardado

Ontem à noite, eu e o G. conseguimos dar uma escapadela e ir beber um copo até ao xiringuito. Para mim, este bar (e a praia) é um segredo bem guardado no meio das falésias da Galé.
A lua, que era a convidada principal, escondeu-se atrás das núvens, mas os mojitos estavam dignos da Bodeguita del Medio!

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Aproveitem a Vida!!

Título: Aproveitem a Vida
Editora: Livros d’Hoje
N.º Páginas: 232+24
Preço: 14,95 €
1ª Edição: Setembro de 2010

Sinopse:
Tenho um tumor gigante no pâncreas. Alguns dos tratamentos conseguiram reduzir um pouco o seu tamanho, mas não o suficiente para poder ser operado. Sei bem o que isso significa. Neste momento, e porque não há outra forma, vivo um dia de cada vez. Deixei de fazer planos para a frente. Não sei o que me espera no futuro, mas isso agora também não importa, o que interessa é o aqui e agora. Ao longo deste quase último ano e meio percebi que o meu estado de saúde deixou de ser um tema que me diz respeito apenas a mim, à minha família, aos meus amigos e àqueles de quem sou próximo. A minha doença deixou de ser apenas um problema que é meu, de alguma forma deixou de me pertencer. E isto sucedeu aos poucos, à medida que a onda de apoio e solidariedade à minha volta foi crescendo e ganhando forma. Assim nasceu a ideia deste livro. A mensagem principal que quero deixar às pessoas é que se há um problema é preciso resolvê-lo da melhor maneira, há que não ficar quieto, há que tentar de tudo primeiro, nunca desistir. Se as pessoas começarem a parar por um momento para olhar para casos como o meu, ou, simplesmente, para a sua própria vida com olhos de ver, talvez comecem a relativizar os seus próprios problemas e possam perceber o que de facto vale a pena na vida. Talvez assim a consigam aproveitar melhor. Aproveitem a vida e ajudem-se uns aos outros!!
António Feio